28/06/2018 Notícia

DIFERENÇA ENTRE ÓLEO MINERAL E SINTÉTICO

tot_blog_mai_sem01_v1_r0-mineral-x-sintetico.png

Você sabe explicar a diferença entre óleo mineral e sintético? Ou responder qual deles seria melhor para seu tipo de veículo? Algumas dúvidas como essas são frequentes, quando falamos sobre óleo de motor. Conhecer essas respostas é de grande importância para não ocorrer possíveis danos ao seu carro.
Os lubrificantes são compostos por óleos básicos e aditivos. Sua função é permitir que as partes móveis do motor sejam adequadamente lubrificadas, reduzindo o atrito e consequentemente desgaste e superaquecimento das peças do motor. A diferença entre mineral e sintético está no processo de obtenção do óleo, vamos entender um pouco sobre cada um:

Óleo de base mineral

A obtenção do óleo de base mineral é mais simples (refino por solvente). Neste processo, não é possível retirar todas as impurezas do óleo, desta forma a quantidade de enxofre presente nesse tipo de óleo pode, a médio e longo prazo, trazer prejuízos ao motor em função de possíveis ataques ácidos produzido por esse elemento. Além da presença significativa do enxofre, a sua estrutura molecular é irregular, o que acaba afetando o consumo de óleo do motor e intervalo de troca. 
Existem também  óleos minerais do tipo premium (nome comercial) que é classificado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) como Óleo mineral Grupo II. Esses óleos possuem uma quantidade muito baixa de enxofre e além de uma cadeia molecular muito mais estável, o que confere maior proteção ao motor e  maiores intervalos entre as trocas de óleo. Isto significa menor consumo de óleo, quando comparado à um óleo mineral comum, que pertença ao Grupo I. 
Todos os óleos minerais da linha automotiva da Total & ELF pertencem ao grupo II, o que conferem a eles qualidade superior e melhor performance.

Óleo de base sintética

Assim como os óleos de base mineral são divididos em 2 grupos (GI e GII), conforme entendimento da ANP. Os sintéticos também possuem as suas classificações, as mais comuns são grupo III, IV e V. A obtenção desses óleos pode  variar de acordo com sua aplicação. São chamados de sintéticos devido aos métodos de sínteses químicas (hidrocraqueamento severo dentre outros), usados para obtenção dos mesmos, ou seja, são processos muito mais complexos, e consequemente mais caros, porém, com melhores propriedades.

Essas características fazem com que esse tipo de óleo ofereça:

  • Maior intervalo de troca 
  • Menor formação de borra 
  • Maior resistência ao envelhecimento (oxidação) 
  • Maior estabilidade em altas temperaturas 
  • Maior rendimento para motores de alta performance

Comparação entre óleos de base mineral e sintéticos

Mas afinal, qual desses é melhor para meu carro?

O melhor conselho é olhar no manual do veículo. Sempre fique atento ao óleo que está sendo utilizado no seu motor, pois veículos mais modernos requerem óleos lubrificantes de melhor performance. O importante mesmo é não perder os intervalos de troca e, para isso, te ensinamos quando trocar o óleo do veículo.

Posso trocar o óleo mineral pelo sintético?

Sempre consulte as informações fornecidas pelo fabricante quanto às possibilidades de aplicação de óleos lubrificantes. Caso essa mudança não altere a viscosidade do óleo e mantenha ou melhore seu nível desempenho do motor (API/ILSAC/ACEA e/ou a homologação do fabricante) e essa mudança seja preconizada pelo fabricante a resposta é sim. Caso você tenha usado por muito tempo óleo mineral, é sempre aconselhável boas práticas de manutenção e limpeza do motor para evitar qualquer tipo de problema.
Total Lubrificantes sempre garantindo a máxima eficiência para você garantir o melhor desempenho do seu carro! A Total fornece uma vasta gama de óleos lubrificantes, cada um com propriedades únicas que irão te auxiliar em qualquer situação. Para conhecer mais sobre nossos produtos, acesse.

É o Rafa!

Rafael Carvalho
Especialista técnico Total Lubrificantes

  • Técnico em automobilística
  • Engenheiro Mecânico
  • Pós Graduado em motores de combustão Interna