Skip to content

27/06/2019 Notícia

Como funciona o sistema de suspensão automotiva? Nós explicamos!

A suspensão automotiva cumpre uma importante função no desempenho do carro. Mas você sabe que peças compõem esse sistema, qual a relevância delas e que tipos existem? Entenda aqui!

A suspensão automotiva é o sistema responsável pela estabilização de impactos do solo. Formado por um conjunto de peças, ele é encarregado de manter as quatro rodas no chão e de proporcionar o melhor desempenho do carro. Por isso, é tão importante para a segurança e bom funcionamento de outras partes do veículo.

Mas você sabe como a suspensão automotiva funciona, quais peças a compõem e que tipos existem? Para esclarecer dúvidas sobre o assunto, preparamos este post! Leia:

As peças e como funcionam

Cada peça da suspensão automotiva cumpre uma função dentro de todo o sistema. Daí a relevância de checar a efetividade e fazer a manutenção delas periodicamente. Entenda quais são os componentes e para que servem:

Amortecedores

Os amortecedores são a peça principal da suspensão. São eles que amenizam as irregularidades do solo e aliviam os impactos no carro. Sem os amortecedores, o veículo não andaria em linha reta.

Molas

Junto aos amortecedores estão as molas, também responsáveis por minimizar desníveis da pista. Quando o carro passa a chacoalhar muito, apresentar instabilidade e a fazer barulho é possível que essas peças estejam gastas.

Pivô de suspensão

Esse componente cumpre a função de ligar o chassi à carroceria. É por meio dele que a coluna da direção gira em seu próprio eixo, até mesmo nos movimentos de subida e descida.

Barra estabilizadora

Presa à carroceria, a barra estabilizadora auxilia na firmeza do carro, principalmente em alta velocidade. Essa peça conecta as barras de suspensão com buchas de fixação e bieletas (articulação em formato de haste).

Tipos de suspensão automotiva

As suspensões automotivas variam de acordo com o modelo do carro, custos e aplicações, por exemplo. Conheça, a seguir, os 5 principais tipos:

Suspensão ativa

Diferentemente do tradicional modelo de suspensão passiva, que minimiza os impactos do solo a partir de parâmetros fixos previamente calculados, a ativa é formada por sensores que vão coletando dados e enviando-os para o computador de bordo. Essas informações ficam, então, reunidas para auxiliar no melhor desempenho do carro de acordo com as condições da pista.

Eixo rígido

Esse é um tipo mais simples, usado em larga escala no passado. Uma barra transversal, fixada no chassi ou carroceria, conecta as duas rodas e é bastante resistente — isso, inclusive, faz com que o sistema seja pesado, indicado para carros off road.

MacPherson

Idealizada por Earle Steele MacPherson na década de 40, ela é um tipo de suspensão independente comumente usada na parte dianteira dos veículos. Devido ao seu tamanho reduzido em comparação aos outros modelos, a MacPherson deixa espaço para a instalação de motores maiores.

Triângulo duplo

Também conhecida como Duplo A, essa suspensão possui dois braços em formato de “V” e se assemelha a um triângulo. Justamente pela rigidez, ela é aplicada geralmente em carros esportivos.

Multilink

Assim como a MacPherson, a Multilink é uma suspensão independente. Embora seja parecida com a triângulo duplo, sua estrutura é avançada: conta com três ou mais braços, espaçados entre si e que aumentam a liberdade de movimento.

Agora que você já está por dentro do que é a suspensão automotiva, como ela funciona e quais as suas peças, que tal dividir essas informações com seus amigos? Compartilhe o post em suas redes sociais e ajude-os a entender a função desse sistema!

 

É o Rafa!

Rafael Carvalho
Técnico Total Brasil

  • Técnico em automobilística
  • Engenheiro Mecânico
  • Pós Graduado em motores de combustão Interna