Skip to content

01/07/2018 Notícia

COMO COMPLETAR O ÓLEO DO MOTOR? PODE MISTURAR ÓLEO SINTÉTICO COM SEMISSINTÉTICO?

Total

Imagine só a seguinte situação: no meio de uma viagem, o motorista percebe que seu óleo está chegando ao fim. Para em um pequeno posto para abastecer e trocar o óleo do seu carro, contudo, esse posto só oferece óleo mineral, e neste caso, o veículo em questão só utiliza óleo sintético. Como fazer? Saiba como proceder nessa situação e conheça outras dicas para que o motor do seu carro não vá para o espaço.

Não podemos prever quais aditivos foram utilizados na fabricação de cada óleo e se são compatíveis uns com os outros. Ocorrendo uma interação entre ambos podem prejudicar a eficiência da lubrificação do motor. Em caso de emergência depois da mistura, siga a troca de óleo com o prazo do óleo mineral, seis meses ou cinco mil quilômetros, ou o que ocorrer primeiro.

Qual a diferença?

O lubrificante pode ser mineral, semissintético ou sintético, dependendo do tipo de base com o que ele foi fabricado. A liberdade de escolha pertence a você, contudo, os três tipos de óleos devem seguir as especificações do manual do veículo. Todavia, existem diferenças de performances entre os três tipos. O sintético é um produto de engenharia química mais elaborado, já o mineral é destilado diretamente do petróleo, sendo um produto mais bruto. Por fim, o semissintético que é a mistura dos dois.

Quer saber mais sobre as características de cada óleo? Descubra!

As especificações de óleos mais comuns no mercado brasileiro são:

SAE: sigla em inglês para Sociedade dos Engenheiros Automotivos dos Estados Unidos, que define faixas de viscosidade e divide os óleos em dois grupos: grau de inverno (que levam a letra W, de winter, inverno em inglês) - lubrificantes que possibilitam uma rápida movimentação do mecanismo em baixas temperaturas (a classificação varia de 0W a 25W). Já em altas temperaturas, os lubrificantes trabalham sem o rompimento de sua película lubrificante, pois quanto mais quente o óleo, menos viscoso (as temperaturas variam entre 20 e 60).

API: o American Petroleum Institute - API, que também é americano, define níveis de desempenho e é indicado por duas letras. A primeira letra definirá o tipo de combustível que o veículo utiliza e a seguinte define o tipo de serviço. O SJ é superior ao SH, contudo o SM é o mais avançado.

ACEA: Associação dos Construtores Europeus de Automóveis. Essa associação possui um zelo maior quando se trata de questões ambientais e compatibilidade de óleos lubrificantes com sistemas pós-tratamentos, tais como os sistemas DPF, SCR, EGR. No Brasil presentes em motores Diesel. Por conta disso, é comum ver especificações do tipo ACEA nos rótulos de alguns óleos lubrificantes.

ACEA A/B => Indicado para motores a gasolina e Diesel sem sistema DPF (Filtro de partículas Diesel), como a linha Total Quartz 9000 Energy RQ.

ACEA C => Indicado para motores a gasolina e Diesel com sistema DPF Filtro de partículas Diesel), como a linha Total Quartz INEO e ELF Evolution Full-Tech FE.

ACEA E => Indicado para motores à Diesel extra pesado, como apresentado na linha Total Rubia TIR e ELF Performance Victory.

Total Brasil sempre garantindo a máxima eficiência

Para você garantir o melhor desempenho e eficiência para seu veículo, use sempre produtos de alta qualidade! A Total Brasil oferece produtos Premium que atendem às exigências dos grandes fabricantes de automóveis, além de estar de acordo com as principais especificações de qualidade internacionais. Para conhecer mais sobre nossos produtos, visite nosso catálogo: http://catalogo.totalbr.com.br/portuguese-br/